Quem nos visita
1 user(s) are online (1 user(s) are browsing Artigos)

Members: 0
Guests: 1

more...
Pesquisa
Observação
Além de material próprio este site reúne inúmeras referências a páginas e documentos encontrados na Internet, sobre os quais não temos o menor controle sobre sua disponibilidade. Assim como surgiram na Internet e tivemos a sorte de encontrá-los, podem desaparecer a qualquer momento, sem que em muitas das vezes possamos recuperá-los.

Recomendo meu livro aos interessados em uma reflexão filosófica sobre a técnica, e em particular a informática. Para ler o livro é necessário o leitor Kindle, seja individual ou seja para PC, Mac ou IPAD: AMAZON e AMAZON BRASIL
Responsáveis
João Cardoso de Castro
Filósofo e Mestre em Educação, UFRJ
Murilo Cardoso de Castro
Doutor em Filosofia, UFRJ
Citação Ao Acaso
  • A técnica não é igual à essência da técnica. Quando procuramos a essência de uma árvore, temos de nos aperceber de que aquilo que rege toda árvore, como árvore, não é, em si mesmo, uma árvore que se pudesse encontrar entre as árvores.
    Assim também a essência da técnica não é, de forma alguma, nada de técnico. Por isso nunca faremos a experiência de nosso relacionamento com a essência da técnica enquanto concebermos e lidarmos apenas com o que é técnico, enquanto a ele nos moldarmos ou dele nos afastarmos. Haveremos sempre de ficar presos, sem liberdade, à técnica tanto na sua afirmação como na sua negação apaixonada. A maneira mais teimosa, porém, de nos entregarmos à técnica é considerá-la neutra, pois essa concepção, que hoje goza de um favor especial, nos torna inteiramente cegos para a essência da técnica. (HEIDEGGER, Ensaios e Conferências, 1954/2002, p. 10)
  • Heidegger
  • “Cinco são os modos, portanto, nos quais o ser-aí humano descerra o ente como atribuição e negação. E esses modos são: saber-fazer — na ocupação, na manipulação, na produção — ciência, circunvisão — intelecção — compreensão, suposição apreendedora.” [...] Todos esses diversos modos do aletheuein (desvelamento) encontram-se em uma conexão com o logos (discurso); tudo, menos o noûs (pensamento), é aqui meta logou (por meio do discurso); não há nenhuma circunvisão, nenhuma intelecção, nenhuma compreensão, que não seria fala. A techne (Arte) é o saber-fazer na ocupação, no manuseio, na produção, que pode se conformar em graus diversos, tais como, por exemplo no sapateiro e no alfaiata; ela não é o próprio manuseio e o próprio fazer, mas um modo de conhecimento, precisamente o saber-fazer que guia a poiesis (produção poética). A episteme (ciência) é o termo para aquilo que se designa como ciência. A phronesis é a circunvisão (intelecção), a sophia (sabedoria, o compreender propriamente dito), o noûs, o notar, que apreende o notado. (Heidegger, O Sofista, 2012 p.21-22)
  • Heidegger
  • Mnemósina, a filha do Céu e da Terra, se torna, como esposa de Zeus, durante nove noites a Mãe das Musas. Jogo e Musica, Dança e Poesia pertencem ao seio de Mnemósina, à Memória. É claro que este termo designa outra coisa que a única faculdade, determinável pela psicologia, de reter o passado na representação. Memória pensa naquilo que tem de ser pensado. Mas, sendo o nome da Mãe das Musas, “Memória” não significa um pensar qualquer de não importa que pensável. Memória é o recolhimento do pensar sobre aquilo que em tudo desejaria ser já guardado no pensar. Memória é o recolhimento do pensar fiel. Ela protege próximo a ela e ela guarda consigo aquilo que é necessário pensar de antemão de tudo aquilo que é e que se revela à nós como o ente, como sendo o recolhimento do ser (als Wesendes, Gewesendes). Memória, a Mãe das Musas! O pensar fiel àquilo que demanda ser pensado é no fundo de onde soa a poesia. A poesia são então as águas, que por vezes escoam às avessas em direção à fonte, em direção ao pensar como pensar fiel. Tanto quanto crermos poder alcançar da lógica um esclarecimento sobre isto que é a poesia, tanto quanto não poderemos nos por a pensar à maneira pela qual toda poesia repousa no pensar fiel. Tudo que encanta na poesia brota do “recolhimento junto a...” que é aquele do pensar fiel. (HEIDEGGER, Qu’appelle-t-on penser ?, 1954/1959, p. 29-30)
  • Heidegger

(1) 2 3 4 ... 96 »
Posted by mccastro on 2016/12/31 7:29:25 (53 reads)
Estamos novamente atualizando o site. Começamos pelo software XOOPS, utilizado como gerenciador de conteúdo, e seus módulos.

Em termos de conteúdo, decidimos trazer para este mesmo site (AQUI), o glossário do vocabulário de Heidegger, que estava junto com outros glossários no site Hyperlexikon. Estamos revisando e reorganizando os textos, dando preferência de copiar para o site EREIGNIS os textos do próprio Heidegger, embora mantendo aqui os já existentes. Os textos de seus seguidores devem também passar a ser concentrados aqui, trazendo aqueles que estão em EREIGNIS.

Todo este processo é lento, somos apenas dois, eu e meu filho João. É nosso projeto para 2017. Esperamos seja um BOM ANO para todos!
Posted by mccastro on 2014/8/27 14:15:45 (77 reads)
Completamos hoje uma grande reorganização de duas seções do site «Contemporâneos» e «Análises e Comentários» que passam agora a formar uma única seção denominada «Meio Filosófico» (de Heidegger). O meio filosófico de Heidegger, que aqui consideramos, é composto de duas seções «Contemporâneos» e «Seguidores». Os filósofos em cada seção foram totalmente atualizados em suas descrições, incluindo diversas referências à Wikipedia para sua biografia e bibliografia, como referências a sua obra disponível na Amazon e em depósitos digitais na Internet, e às paginas que mantemos em outros de nossos sites sobre o filósofo. A seguir, pretendemos melhorar a disponibilidade de artigos para cada filósofo, assim como tentar dar uma editoração de boa qualidade no conteúdo dos artigos já existentes.
Posted by mccastro on 2014/8/24 18:40:00 (68 reads)
Estamos atualizando todas as referências (links) disponíveis no site, começando pela principal seção HEIDEGGER E REFERÊNCIAS, onde já conseguimos atualizar todos os links, além de incluir vários links novos. Fica o convite para visitar a SEÇÃO.
Posted by mccastro on 2014/1/28 7:29:15 (184 reads)
Recomendo este blog de filosofia de Nicolas Weill, filósofo-escritor do jornal Le Monde. Vale muito ler as últimas postagens sobre o controverso período da vida de Heidegger, no qual esteve "associado" ao nazismo. A questão deve vir a ter novos aspectos esclarecidos por conta da surpreendente descoberta de um diário do filósofo, que será publicado ainda em 2014.

LER AQUI
Posted by mccastro on 2013/9/27 9:49:42 (176 reads)
Curto vídeo onde Hubert Dreyfus apresenta uma brevíssima exposição histórica sobre a questão da "existência de Deus.
Read more... | 239 bytes more
Vocabulário (novos)